Confira as ações da carteira 10SIM do BTG Pactual para novembro

Todos os meses, o BTG Pactual elabora uma série de Carteiras Recomendadas, reunindo sugestões de ativos para o período, a partir das análises financeiras e econômicas de sua equipe especializada. Esta é a Carteira Recomendada de Ações (10SIM) do BTG Pactual para Novembro de 2020.

Visão Geral

A equipe de análise do BTG Pactual considera que o final de ano será marcado por dois fatores: alta volatilidade causada por uma conjunção de eventos (eleições nos EUA, eleições no Brasil, segunda onda de Covid-19 na Europa) e preocupação com a situação fiscal do país.

Enquanto isso, o mercado de capitais teve um terceiro trimestre de alto nível de atividade, com 13 IPOs e 12 follow-ons. Somente em setembro, o capital levantado em IPOs superou o total de 2019.

Para o mês de Novembro/2020, o BTG Pactual recomenda uma carteira de ações 10SIM distribuída da seguinte maneira:

  • Vale (VALE3) – 15%
  • Petrobras (PETR4) – 10%
  • Magazine Luiza (MGLU3) – 10%
  • Gerdau (GGBR4) – 10%
  • B3 (B3SA3) – 10%
  • Tim (TIMP3) – 10%
  • CCR (CCRO3) – 10%
  • Energisa (ENGI11) – 10%
  • Cyrela (CYRE3) – 10%
  • Oi S.A. (OIBR3) – 5%

Em relação à carteira de Outubro/2020, houve 1 saída, da Duratex (DTEX3).

Características

Segundo os analistas do BTG Pactual, a Carteira Recomendada de Ações 10SIM apresentou desempenho com queda de -1,1%, enquanto o IBOV teve queda de -0,7%.

No período desde outubro/2009, a rentabilidade acumulada pela carteira é de +209,1%, contra +52,7% do IBOV.

Vale (VALE3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Vale (VALE3) está em uma posição vantajosa devido ao fato de que a demanda de minério de ferro da China, que representa cerca de 70% do mercado transoceânico, permanece forte, enquanto interrupções de oferta criaram déficit no mercado.

O banco considera que as ações estão baratas e apresentam potencial de valorização. No entanto, a redução da percepção de risco deste investimento deva ocorrer de maneira gradual e dependendo de vários pilares, inclusive a melhoria da ESG – Governança Ambiental, Social e Corporativa da empresa.

Petrobras (PETR4)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Petrobras (PETR4) mantem foco em projetos de alto retorno na área do pré-sal, o que abre caminho para lucros sustentáveis a longo prazo. Além disso, com riscos legais menores nas operações de privatização de refinarias, o ritmo de desalavancagem da empresa deve ser retomado e as vendas devem ser finalizadas.

O banco considera que a empresa pode acelerar os dividendos mais cedo do que o esperado.

Magazine Luiza (MGLU3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Magazine Luiza (MGLU3) está bem posicionada para continuar crescendo acima do mercado, graças a seus esforços no desenvolvimento de sua plataforma de e-commerce, e deve ser uma das vencedoras em potencial no setor de comércio digital.

O banco considera que ainda existem fortes perspectivas de crescimento no curto prazo e sólidos pilares estruturais no longo prazo.

Gerdau (GGBR4)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Gerdau (GGBR4) apresenta forte crescimento da receita, baixa alavancagem, geração de fluxo de caixa livre, pouca exposição cambial e uma tese temática associada ao mercado imobiliário, que tem força estrutural no Brasil.

O banco considera que a empresa deve ganhar participação de mercado, devido ao seu forte posicionamento no segmento de varejo de construção, e, embora a ação não esteja barata, apresenta potencial de crescimento para vários anos no futuro.

B3 (B3SA3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a B3 (B3SA3) caiu -23% em relação a sua máxima histórica desde julho, quando seu preço atingiu quase R$ 70, devido a fatores como a queda no volume de transações na bolsa e o maior risco macro/político do momento.

O banco considera que, com um alto volume de vendas do papel recentemente, existe um potencial decente de valorização.

Tim (TIMP3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Tim (TIMP3) apresenta um modelo de negócios resiliente, forte balanço patrimonial e boa geração de fluxo de caixa. Além disso, apresenta um valuation atraente.

O banco considera que, com uma possível aquisição envolvendo a operação de telefonia móvel da Oi S.A. (OIBR3) em vista, há um interessante potencial de valorização.

CCR (CCRO3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a CCR (CCRO3) se destaca por contar com um modelo de negócios defensivo. Além disso, é beneficiada pelo sólido cenário de longo prazo do setor, já que o Brasil ainda enfrenta uma lacuna de infraestrutura, e pelo fato de que a pressão financeira afetou seus pares diretos, tornando o ambiente menos competitivo.

O banco considera que os níveis de valuation são atraentes e que o anúncio de reequilíbrio de contrato das concessões rodoviárias da empresa em São Paulo cria uma perspectiva positiva para a própria CCR e para todo o setor.

Energisa (ENGI11)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Energisa (ENGI11) é atualmente uma das ações mais baratas dentre as que são consideradas na análise para a carteira 10SIM. Ela foi fortemente afetada pela crise causada pela pandemia, devido a ser uma distribuidora pura.

O banco considera que, observando a prévia operacional do 3T20, a empresa demonstra que seus resultados devem melhorar mais rapidamente do que o esperado, e suas ações estão muito descontadas em relação às de seus pares.

Cyrela (CYRE3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Cyrela (CYRE) apresentou alta de +46% a.a. em lançamentos e de +58% a.a. em vendas no resultado operacional do 3T20, impulsionada pelas taxas de hipoteca, que estão nos níveis mais baixos já registrados.

O banco considera que a empresa deve apresentar resultados com excelente lucro e geração de caixa para o terceiro trimestre, especialmente considerando os ganhos com IPOs de subsidiárias. Além disso, está bem posicionada para aproveitar a recuperação do setor habitacional, pois possui marcas diferentes que atendem a todos os segmentos de renda.

Oi S.A. (OIBR3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Oi S.A. (OIBR3) pode agora ser considerada uma opção de investimento menos arriscada, graças à aprovação do plano revisado da empresa, que autoriza a venda de ativos que possibilitam levantar até R$ 24 bilhões em caixa.

O banco considera que a administração está executando o plano de recuperação adequadamente, e ressalta que o leilão para venda da InfraCo, empresa de fibra da Oi S.A., pode ocorrer no primeiro trimestre de 2021.

 

Estes são os ativos da Carteira Recomendada de Ações (10SIM) do BTG Pactual para Novembro de 2020. Acompanhe os conteúdos da Renova Invest para ter acesso às carteiras recomendadas mensais para ações.

Disclaimer: As informações apresentadas neste artigo são provenientes de relatório preparado pelo Banco BTG Pactual S.A. Esse material tem caráter puramente informativo, e não configura recomendação ou sugestão de investimento.

(Visited 147 times, 1 visits today)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta


Mais Lidos

Postagens Relacionadas

Categorias

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.