Movida e Lojas Quero Quero aparecem na lista de oportunidades do BTG

 

Sustentando a diversidade já conhecida pelo mercado financeiro, a Carteira Small Caps BTG desse mês, aparece com duas novas apostas. São elas: Movida e as Lojas Quero Quero, em substituição às empresas EcoRodovias e JLS. Ao mesmo tempo em que mantem a Duratex, a Randon e a Oi.

small caps

O portfólio, que captura os cinco ativos com melhores oportunidades e performances entre empresas com valor informal de mercado de até 15 bilhões, todo mês, mais uma vez, possui uma carteira com empresas de diferentes ramos de atuação.

A Movida, empresa que trabalha prioritariamente com aluguel de veículos, entra na indicação com um olhar bem direcionado. Isso porque ela já está se reinventando para enfrentar a concorrência potente que une a Localiza e a Unidas no ramo nessa linha de atuação.

Com a compra da NewCo, que possui uma participação combinada de 66% de mercado, analistas acreditam que haverá uma racionalização da capacidade. Mas também da dinâmica de oferta e demanda.  E essa movimentação já tornou o valuation da corporação atraente e com riscos positivos relevantes, o que justificou a inserção da empresa no portfólio.

As Lojas Quero Quero, por sua vez, contam com um atrativo diferenciado. Isto é, um modelo de negócio que se enquadra na expansão do setor de varejo na construção civil. O que tem atraído investidores e propiciado um alto potencial de valorização.

Ativos que permaneceram atraentes

Mesmo caso da Duratex que, apesar do impacto pela crise nos dois primeiros trimestres do ano, foi analisada a partir da expectativa em ser beneficiada com o crescimento do setor de construção – reformas e obras.

A empresa do setor de revestimento e cerâmica, atualmente, opera com capacidade total nas suas linhas e produção e, por isso, se espera mais vendas e mais lucros.

Dentre os motivos que somaram para que a Randon permanecesse no mercado está uma série de vendas que aponta para uma rápida recuperação econômica. Veículos pesados, aftermarketing estáveis com peças de revenda são algumas das perspectivas.


Sem falar na incorporação da Nakata pela subsidiária Fras-le, aprovado pelo CADE. Há também esforços de inovação que já apresenta 29 soluções a desenvolver-se pela corporação acompanhando a tendência de inovação do setor.

A OiBR se mantém há alguns meses na carteira em razão da reestruturação, aprovada em assembleia geral de credores, em 8 de setembro. Diante disso, os analistas do BTG decidiram reavaliar o valor dos seus ativos e conseguiram encontrar um preço-alvo maior do que o anterior.

A previsão de valor em caixa de R$ 24 bilhões tornou o investimento nessas ações menos arriscadas. Isso porque já está autorizada a vender ativos e, com isso, quitar dívidas, trazendo um potencial de recuperação considerada rápida.

Precificação da Ibovespa

Com a Ibovespa fechando mais um mês no vermelho, após recuar 4,8% em setembro e 3,4% em agosto, a análise gira em torno do valor precificado da bolsa.

O modelo simplificado acaba comparando o valuation a atual com o preço-alvo para o índice estimado. Isto é, a partir de um conjunto de premissas que envolve juros reais a longo prazo, inflação de 2,5% e crescimento real do  PIB


Com base nesse cálculo, a Ibovespa parece precificado de forma adequada, mostrando, portanto, que a recuperação pode acontecer rapidamente, se o cenário político contribuir para isso.

Cenário político

Em meio a um recuo do governo sobre as reformas fiscais, com um novo projeto de transferência de renda que deve aumentar ainda mais os gastos públicos, o mercado segue apreensivo.

Junto a isso está uma possibilidade nada animadora para os investidores: as reformas não serão feitas, pelo menos, até a próxima eleição,

Pela proposta que se apresenta, a previsão é de que haja um desajuste entre o índice que reajusta o teto, baseado no IPCA, e o fator que reajusta as despesas obrigatórias. Desse modo, essa conta pode levar o país a um déficit de cerca de R$18 bilhões em 2021.

O cenário, que coloca em risco o teto de gastos, pressiona as taxas de juros reais a longo prazo, crescendo de 3,4 em julho para 4,1 em setembro.

Apesar disso, o mercado ainda espera uma mudança de postura do governo que priorize as reformas fiscais e traga um respiro para quem investe no Brasil. Sabe-se, no entanto, que com as eleições municipais, previstas para novembro, essa pauta ficará para depois mais uma vez.

Dito isso, os especialistas BTG acreditam estar preparados para eventuais momentos de turbulência, em um portfólio diversificado em ativos de qualidade e com uma liquidez média ponderada de R$ 3,9 milhões. A maior parte da carteira está exposta a segmentos de maior resiliência, como fundos de recebíveis high grade (27,5%). Por fim, ressalta-se que o objetivo é de um investimento é de longo prazo os analistas se mostram confiantes nesse horizonte de tempo para os fundos que compõem a carteira recomendada.

Considerações Finais

A montagem da carteira recomendada e sua análise foram feitas pela equipe de research do BTG e o relatório completo você pode fazer o download clicando aqui. Reforçamos que não se trata de uma recomendação da Renova Invest. A Carteira foi montada pela equipe de research do BTG e o relatório completo foi assinado pelos analistas do BTG.

Gostou da carteira recomendada Small Caps desse mês? Compartilhe com seus amigos! Além disso, entre em contato para conversarmos a respeito de novas oportunidades de investimento compatíveis com o seu perfil e momento de vida. Decerto, é saudável rever as posições de sua carteira e analisar se os ativos atuais ainda fazem sentido dentro de sua estratégia.