Todos os meses, o BTG Pactual elabora uma série de Carteiras Recomendadas, reunindo sugestões de ativos para o período, a partir das análises financeiras e econômicas de sua equipe especializada. Esta é a Carteira Recomendada de Small Caps do BTG Pactual para Setembro de 2021.

Visão Geral

A equipe de análise do BTG Pactual pontua que, no que se refere ao mercado financeiro, o índice Ibovespa apresentou baixa pelo segundo mês consecutivo, com queda de -2,5% em reais.

Em relação ao cenário econômico, a principal observação é que, embora a recuperação esteja sendo mais rápida do que o esperado, existe preocupação com a situação fiscal em 2022. Conforme discussões sobre a expansão de programa social e o aumento dos precatórios se prolongam, a percepção de risco aumenta.

Já no que se refere ao cenário da pandemia, a equipe de análise aponta como destaques a queda na média móvel de mortes e o aumento no ritmo da vacinação. Cerca de 63% da população já recebeu, pelo menos, a 1ª dose. Estão sendo administradas 1,6 milhão de doses por dia.

Para o mês de Setembro/2021, o BTG Pactual recomenda uma carteira com 5 small caps, distribuída da seguinte maneira:

  • Lavvi (LAVV3) – 20%
  • SLC Agrícola (SLCE3) – 20%
  • Vamos (VAMO3) – 20%
  • 3R Petroleum (RRRP3) – 20%
  • Orizon (ORVR3) – 20%

Em relação à carteira de Agosto/2021, houve 2 saídas: Oi S.A. (OIBR3) e Wiz S.A. (WIZS3).

Desempenho

Segundo os analistas do BTG Pactual, o desempenho da Carteira Recomendada de Small Caps apresentou queda de -9,9% em Agosto, contra queda de -2,5% do IBOV e de -3,8% do SMLL.

Em 2021, a BTG SMLL acumulou rentabilidade de +27,0%, em relação a -0,2% do IBOV e +0,9% do SMLL.

Desde julho de 2010, a BTG SMLL registrou rentabilidade acumulada de +2.608%, em relação a +94,8% do IBOV e +150,2% do SMLL.

carteira recomendada de small caps setembro

Lavvi (LAVV3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Lavvi (LAVV3) está no caminho certo para cumprir os planos de forte crescimento e alta lucratividade, propostos quando realizou seu IPO.

Quatro novos projetos estão previstos para 2021, incluindo o projeto Villa. Lançado no 2T, ele apresenta valor de venda de R$ 632 milhões, com margens altas. Além disso, a empresa tem realizado a aquisição de terrenos a condições atrativas, apesar da competição acirrada.

Outro ponto importante é que, apesar da alta nos custos de construção, a empresa está conseguindo elevar os preços de venda. E ela ainda conta com a vantagem de ter seus recebíveis indexados ao INCC-M.

O time de análise considera que, com o mercado imobiliário permanecendo aquecido em São Paulo, a empresa pode acelerar seus lançamentos e aumentar as margens para atingir ROE – retorno sobre patrimônio líquido de 25%.

SLC Agrícola (SLCE3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a SLC Agrícola (SLCE3) é incluída na carteira com um modelo de negócios comprovado. Seu objetivo é adotar tecnologia em larga escala nos segmentos agrícolas mais tradicionais do país: soja, milho e algodão.

Em 2022, deve haver um crescimento de aproximadamente 35% na área plantada. Com isso, a empresa poderá se beneficiar de uma forte alavancagem operacional, além da vantagem do real fraco. Com isso, a SLC Agrícola se consolida como uma das melhores maneiras de aproveitar o boom de preços de commodities.

A ação teve uma boa performance e o valuation está um pouco exigente, mas seu preço ainda está abaixo do histórico. Com isso, os analistas consideram que existe um bom ponto de entrada, especialmente considerando que o mercado global das commodities que essa empresa produz apresenta oferta apertada e preços altos.

Vamos (VAMO3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Vamos (VAMO3) permanece na carteira com uma expectativa positiva de crescimento da empresa, associada à baixa penetração da atividade de aluguel de caminhões atualmente e ao potencial de expansão do segmento.

A Vamos recentemente anunciou que pretende aumentar sua frota em 6x até 2025, chegando a cerca de 100 mil caminhões.

Além disso, o crescimento orgânico e inorgânico da empresa neste ano vem superando expectativas. Em relação ao crescimento inorgânico, foram realizadas 4 operações de fusão e aquisição desde o IPO.

Outro fator importante que beneficia a empresa é a queda na oferta de veículos novos, devido à falta de autopeças. Assim, a tendência de terceirização de frotas no Brasil é acelerada.

Para resumir sua tese, o BTG destaca três principais vantagens econômicas da empresa. A primeira são as condições mais favoráveis para compra de veículos, devido ao seu poder de barganha. A segunda é a capacidade comercial, alavancada pelo controlador Simpar. A terceira é sua rede de vendas de ativos usados.

3R Petroleum (RRRP3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a 3R Petroleum (RRRP3) permanece no portfólio após ter apresentado um início de recuperação em Agosto. As ações apresentaram desempenho inferior ao preço do Brent, com espaço para correção, e foi anunciada a potencial aquisição do cluster de potiguar.

A empresa representa a revitalização dos ativos petrolíferos onshore e em águas rasas. Por ser a única empresa listada nesse segmento, ela conta com o valor de escassez.

Como a Petrobras está focada nas operações em águas profundas e ultraprofundas, não está havendo muito esforço dedicado à recuperação de ativos não essenciais. Por isso, a 3R tem uma oportunidade de crescimento interessante.

Além disso, os analistas avaliam que, apesar do seu curto período de vida, a empresa tem um risco de execução menor do que imaginado, pois seu foco é em fazer bem o básico. Ela se concentra na produção e aposta em técnicas convencionais de revitalização.

Outro fator importante é o baixo custo de produção, que garante a resiliência do portfólio mesmo diante de eventuais quedas nos preços do petróleo.

O BTG também destaca que a 3R tem um plano de M&A ousado. Nos próximos seis meses, ela já deve começar a operar com quatro dos clusters que foram adquiridos recentemente. Isso deve contribuir para reduzir o risco do investimento na empresa.

A equipe de análise considera que a 3R tem boa relação risco-retorno e também é uma alternativa atrativa para investidores que querem mais exposição aos preços do Petróleo Brent e menos exposição ao risco político.

Orizon (ORVR3)

De acordo com a equipe de análise do BTG Pactual, a Orizon (ORVR3) é devolvida à carteira porque existe expectativa de que seja agendada, nas próximas semanas, a data do leilão dos ativos da Estre, a maior empresa de aterros sanitários do país.

A Orizon adquiriu a dívida sênior da Estre, que está em recuperação judicial. Assim, no leilão de ativos, que envolve um conjunto de 7 aterros e uma planta de recuperação de resíduos, a Orizon tem direito de apresentar a primeira oferta.

A Orizon também pode combinar sua oferta com a do fundo de emergência Jive, que também comprou a dívida sênior da Estre. E, se suas ofertas não vencerem o leilão, eles devem receber uma taxa de rescisão correspondente a 6,5% do valor do lance vencedor.

Com a vitória no leilão, a base de ativos da Orizon teria um aumento de mais de 100%. Além disso, seu EBITDA teria um acréscimo entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões.

 

Estes são os ativos da Carteira Recomendada de Small Caps do BTG Pactual para Setembro de 2021. Acompanhe os conteúdos da Renova Invest para ter acesso às carteiras recomendadas mensais para small caps.

Disclaimer: As informações apresentadas neste artigo são provenientes de relatórios elaborados por terceiros. Esse material tem caráter puramente informativo, e não configura recomendação ou sugestão de investimento.