ITSA4
ITSA4

Análise Completa: Resultado Itaúsa (ITSA4) para o 4T20

No dia 22 de fevereiro de 2021, foi apresentado o resultado da Itaúsa (ITSA4) para o 4T20 e a equipe de Equity Research da Eleven Financial Research já realizou a análise dos dados divulgados. Confira os pontos principais.

Impulso do setor não financeiro na holding financeira

De acordo com o relatório da Eleven, o bom desempenho da Itaúsa (ITSA4) foi impulsionado sobretudo pelo setor não financeiro.

Os destaques do período foram impacto do setor não financeiro e cisão com a XP Inc.

No dia em que o relatório foi publicado, as ações ITSA4 estavam sendo negociadas a R$ 9,78. O valor de mercado era de R$ 86 bilhões. O volume médio negociado era de R$ 345 milhões.

Resultado Itaúsa (ITSA4) para o 4T20

Setor não financeiro impulsiona resultados

Conforme o relatório da Eleven, o bom resultado da Itaúsa no período foi impulsionado pelo setor não financeiro.

O resultado foi impulsionado principalmente pela Duratex e NTS – Nova Transportadora do Sudeste, que cresceram seus lucros em +78% e +18% comparado ao 4T19, respectivamente. Apesar disso, nota-se que o investimento no setor não financeiro representa apenas 11% do portfólio da companhia.

O desconto da holding de Itaúsa para o valor de mercado da soma das empresas investidas chegou a 22,7% no 4T20 (contra 20,6% no 3T20 e 18,7% no 4T19), o maior patamar dos últimos cinco trimestres e acima da média.

Setor financeiro representa 89% das participações

O setor financeiro da Itaúsa é representado até o momento pelo Itaú Unibanco, de acordo com Eleven.

O Itaú Unibanco reportou um lucro líquido recorrente de R$ 5,3 bilhões no trimestre. O resultado representa alta de +7% na comparação de base trimestral e queda de -24% na comparação de base anual.

Por sua vez, o ROAE (retorno sobre o patrimônio líquido médio) foi de 16,1% no período (contra 22,8% no 4T19 e 15,7% no 3T20).

A resiliência da margem financeira foi um dos destaques do trimestre. Apesar das quedas consecutivas e do mix conservador, a margem apresentou um crescimento em virtude: i) da expansão da carteira de crédito e bons resultados em tesouraria; e ii) melhora sequencial das receitas com serviços, liderada por cartões.

Enquanto isso, as despesas com provisões decresceram menos do que o esperado. Além disso, o índice de atrasos global começou a se deteriorar, ainda que de forma tímida, liderado pelo segmento micro, pequenas e médias empresas.

Para 2021, o guidance do banco indica um crescimento de lucro de +32% e ROE de 17,5% no ponto médio. Das investidas da holding, o setor financeiro, representado até o momento por Itaú Unibanco, representa 89% das participações.

Diversificação de portfólio com setor não financeiro

De acordo com a Eleven, o resultado consolidado da Itaúsa no 4T20 foi impulsionado sobretudo pela Duratex.

No caso da Duratex, o crescimento veio do aumento no volume de vendas em virtude da retomada econômica, que impactou positivamente os setores de reformas e construção civil. Além disso, os ganhos de eficiência em custos e despesas continuaram no período.

Por sua vez, a NTS foi beneficiada por créditos tributários retroativos no valor de R$ 48 milhões e pela redução das despesas financeiras, decorrente da redução da Selic.

Enquanto isso, a Alpargatas apresentou um lucro líquido de R$ 203 milhões, com crescimento de +0,9% na comparação de base anual. O resultado é reflexo do crescimento da receita internacional e dos benefícios da variação cambial.

A aquisição da Liquigás foi concluída no trimestre, sendo feita pelo grupo Itaúsa, Copagaz e Nacional Gás Butano. A participação da Itaúsa neste novo negócio se dá pela aquisição de 48,5% da Copagaz, também feita 4T20, no valor de R$ 1,23 bilhão.

Este movimento contribui para a diversificação do portfólio da companhia. O setor financeiro é composto por investimentos na Duratex, Alpargatas, NTS e Copagaz.

Além disso, a companhia anunciou a aprovação do Programa de Recompra de Ações de emissão própria até o limite de 250 milhões de ações (4,5% das ações em circulação).

Itaúsa e a cisão da XP Inc.

Em janeiro de 2021, o Itaú aprovou em assembleia a cisão da XP Inc., que resultará na criação de uma nova companhia, denominada XPart. A nova companhia será detentora de 40,52% do capital da XP, segundo a Eleven.

A XP Inc. anunciou na mesma ocasião que fechou um novo acordo com os acionistas controladores do Itaú (IUPAR e Itaúsa) para estabelecer as próximas etapas da “fusão” da XP com a XPart. A transação ainda está pendente de aprovação do FED, juntamente com outros procedimentos operacionais para criar a companhia.

O processo pode levar até 120 dias, de acordo com a legislação vigente. Portanto, é esperada uma conclusão até o início de junho.

Entretanto, a equipe da Eleven salienta que as ações do Itaú têm sido re-precificadas, incorporando o impacto das perdas futuras da receita da XP. Por esta razão, o preço-alvo do Itaú Unibanco (ITUB3) do relatório da Eleven Financial Research publicado em fevereiro foi atualizado.

Principais mudanças do novo acordo

Segundo a Eleven, houve algumas mudanças com novo acordo entre acionistas.

Entre elas, estão: i) eliminação dos direitos de veto do Itaú, porém os acionistas controladores manterão o direito de indicar dois membros do conselho; e ii) o acionista controlador continuará recebendo mensalmente dados financeiros e operacionais da XP.

O novo acordo é válido para os próximos cinco anos, desde que a IUPAR e Itaúsa detenham mais de 5% da XP. Os acionistas controladores do Itaú deterão diretamente 18,7% das ações da XP e concordaram com um lock-up até outubro de 2021.

De acordo com a equipe da Eleven, o novo acordo é benéfico para os acionistas do Itaú e da Itaúsa. Os acionistas receberão diretamente as ações da nova companhia que, com a fusão da XP, não será uma holding. Por isso, não negociará a um desconto de 15% a 20%.

Além disso, a Itaúsa deve fazer desinvestimentos na XPart no médio prazo. Os recursos levantados poderão ser utilizados para distribuição de dividendos adicionais.

LAIR tem alta de +8,4%

Conforme informa o relatório da própria Itaúsa, seu lucro antes do imposto de renda e da contribuição social (LAIR) no 4T20 ficou em R$ 2,83 bilhões. O número revela alta de +8,4% em relação ao 4T19.

Por sua vez, o LAIR de 2020 ficou em R$ 7,32 bilhões contra R$ 9,85 bilhões em 2019.

Lucro Líquido recorrente tem alta de +35%

Conforme o relatório da Eleven, o lucro líquido recorrente da Itaúsa no 4T20 foi de R$ 2,7 bilhões. Esse resultado representa alta de +35% e +6,1%, respectivamente, nas comparações de base trimestral e anual.

Resultado Itaúsa (ITSA4) para o 4T20: Recomendações

Recomendação da Eleven Financial Research

A equipe de análise da Eleven considera que a Itaúsa (ITSA4) teve um bom resultado impulsionado pelo setor não financeiro e, tendo em vista o contínuo aumento do desconto de holding, permanece atraente.

Assim, estabelece recomendação de compra, com preço-alvo em R$ 14,00.

 

Esta foi nossa apresentação da análise da equipe de Equity Research da Eleven Financial Research sobre o resultado da Itaúsa (ITSA4) para o 4T20. Acompanhe os conteúdos da Renova Invest para ter acesso a todas as análises de resultados trimestrais.

Disclaimer: As informações apresentadas neste artigo são provenientes de relatórios elaborados por terceiros. Esse material tem caráter puramente informativo, e não configura recomendação ou sugestão de investimento.

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.