No dia 09 de março de 2021, foi apresentado o resultado da BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20 e as equipes de Equity Research da Eleven Financial Research e do BTG Pactual já realizaram a análise dos dados divulgados. Confira os pontos principais.

Recuperação do volume e ganhos de market share

De acordo com o relatório do BTG Pactual, o sólido desempenho da BR Distribuidora (BRDT3) ficou em linha com as estimativas da equipe e a companhia está pronta para acelerar seu crescimento.

Enquanto isso, de acordo com o relatório da Eleven, o desempenho foi bastante positivo em virtude da recuperação de volume e corte de despesas, bem como ampliou sua participação no mercado.

Os destaques do período foram recuperação do volume vendido e ganhos de market share.

No dia em que o relatório foi publicado, as ações BRDT3 estavam sendo negociadas a R$ 19,30. A capitalização de mercado era de R$ 22,49 bilhões. O volume médio dos últimos 12 meses era de R$ 185,40 milhões.

Resultado BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20

Recuperação de volume vendido

Conforme o relatório da Eleven, o resultado da BR Distribuidora no 4T20 foi bastante positivo em termos de rentabilidade e recuperação de volume.

O market share (participação de mercado) total da companhia subiu de 25,6% no 4T19 para 27,6% no 4T20 (+2 p.p.), refletindo a melhoria do pricing e o forte corte de despesas. Houve uma evolução nos segmentos de revenda (+1,5 p.p.), B2B (+3,8 p.p) e aviação (+21,1 p.p.).

A receita líquida atingiu R$ 24,3 bilhões, alta de +0,6% na comparação de base anual. Isso é reflexo do aumento no volume vendido (+3,5%), que compensou a queda dos preços médios de vendas da companhia.

Enquanto isso, apesar do aumento, os volumes vieram abaixo das estimativas da equipe do BTG Pactual, provavelmente devido à venda de produtos não essenciais que não são rastreados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Queima de caixa devido ao uso de capital de giro

De acordo com o BTG Pactual, a BR Distribuidora realizou uma grande queima de caixa no 4T20 devido à grande oscilação de capital de giro.

A queima de caixa de R$ 609 milhões ocorreu devido, principalmente, a uma grande utilização de capital de giro (R$ 1,3 bilhão), conforme os volumes e preços continuaram a se recuperar (as receitas subiram +15% na comparação de base trimestral). Apesar disso, o índice de alavancagem permanece estável.

Nível de alavancagem permanece baixo

Em termos de estrutura de capital, a alavancagem ficou em um nível bastante saudável, de acordo com a Eleven.

A BR Distribuidora encerrou o ano de 2020 em 1,2x EBITDA. Entretanto, a companhia ampliou sua banda de alavancagem para 2,5x dívida líquida/EBITDA, o que é positivo em termos de retorno sobre o capital.

Em fevereiro, foram captados R$ 2,8 bilhões em instrumentos bilaterais com diferentes instituições. Apesar da menor margem de comercialização, a BR Distribuidora conseguiu alavancar o aumento de volume com uma redução de -26% nas despesas operacionais, o que é bastante positivo.

Melhorias na execução comercial

A execução comercial da BR Distribuidora no 4T20 parece ter melhorado ainda mais, de acordo com o BTG Pactual.

O market share evoluiu de forma positiva, principalmente com a adição de 165 pontos de venda em um único trimestre, mais do que qualquer outro no setor.

Para a equipe, a nova meta de alavancagem (de 2,5x) sugere que a companhia irá acelerar ainda mais o crescimento, o que é um movimento positivo. Ademais, isso pode permitir dividendos ainda maiores à frente.

Nota-se que a companhia já anunciou dividendos de R$ 1,8 bilhão a serem pagos até o final do ano, com um yield de 8%.

Perspectivas para 2021

Para 2021, a equipe da Eleven espera uma recuperação gradual no volume de vendas de combustíveis. Porém, nota-se que isso ainda depende dos efeitos da pandemia na economia.

Além disso, sugere monitorar as evoluções nas políticas de preço da Petrobras, considerando a recente alta dos preços de petróleo, que deixou os preços no Brasil defasados em relação à paridade internacional.

Enquanto isso, para a equipe do BTG Pactual, a companhia conta com uma base de custos já alinhada ou até melhor do que os pares e melhora na execução comercial, que deve permitir um crescimento de maior qualidade adiante.

Apesar do desempenho inferior do preço das ações (-10% nos últimos 12 meses, contra +29% do Ibovespa e até mais para alguns de seus pares), a equipe considera que a BR Distribuidora está sendo negociada com um valuation que mais do que acomoda os novos riscos do negócio de distribuição de combustível.

Mesmo os riscos associados à privatização das refinarias da Petrobras no momento parecem menos óbvios, o que também pode significar menos competição de bandeiras brancas, à medida que as importações de combustível diminuem.

Resultado BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20

EBITDA impulsionado por redução de despesas

Conforme informa o BTG Pactual, o EBITDA da BR Distribuidora ficou em R$ 1,04 bilhão, em uma margem de R$ 101/m³ , impulsionado por outra forte redução nas despesas.

Excluindo o ganho de R$ 647 milhões de crédito do PIS/COFINS, o EBITDA ficou em R$ 969 milhões, alta de +1,8% na comparação de base anual. Esse resultado equivale a um EBITDA unitário de R$ 94/m³ (contra R$ 95/m³ no 4T19 e R$ 88/m³ no 3T20), de acordo com a Eleven.

Lucro Líquido reflete efeitos não recorrentes

Conforme o relatório do BTG Pactual, o lucro líquido da BR Distribuidora no 4T20 foi de R$ 3,1 bilhões.

Esse resultado inclui os efeitos não recorrentes, como o reconhecimento do crédito do PIS/COFINS (+R$ 647 milhões) e ganho atuarial pela mudança no plano de saúde da companhia (+R$ 2,13 bilhões), segundo a Eleven.

Resultado BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20

Resultado BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20: Recomendações

Recomendação do BTG Pactual

A equipe de análise do BTG Pactual considera que, negociando a 7x EV/EBITDA 2021 e apenas 12x P/L 2021, o risco-retorno da BR Distribuidora (BRDT3) nunca pareceu melhor. A equipe ainda está ajustando suas estimativas para refletir os resultados de 2020, ao mesmo tempo em que aumentou o preço-alvo com base em DCF.

Assim, estabelece recomendação de compra, com preço-alvo em R$ 27,00.

Recomendação da Eleven Financial Research

A equipe de análise da Eleven considera que a BR Distribuidora (BRDT3) teve bons resultados no último trimestre, mas acredita que ainda é cedo para recomendar compra considerando os atuais riscos do setor e EV/EBITDA de 9x em 2021.

Assim, estabelece recomendação neutra com preço-alvo em R$ 24,00.

 

Esta foi nossa apresentação da análise das equipes de Equity Research da Eleven Financial Research e do BTG Pactual sobre o resultado da BR Distribuidora (BRDT3) para o 4T20. Acompanhe os conteúdos da Renova Invest para ter acesso a todas as análises de resultados trimestrais.

Disclaimer: As informações apresentadas neste artigo são provenientes de relatórios elaborados por terceiros. Esse material tem caráter puramente informativo, e não configura recomendação ou sugestão de investimento.

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!